Feriado estadual relembra os mártires de Cunhaú e Uruaçu


O Rio Grande do Norte celebra hoje um dos episódios mais marcantes de sua história: os mártires de Cunhaú e Uruaçu. Os mártires foram beatificados pelo papa João Paulo II em março do ano 2000. Sancionada pela governadora Wilma de Faria, a Lei nº 8.913/2006 decretou o 3 de outubro como o Dia Estadual à Memória dos Protomártires de Uruaçu e Cunhaú.

No ano de 1634, alemães, a serviço dos holandeses, chegavam ao Estado. Cunhaú, que contava com uma população de aproximadamente 70 colonos, sofreu naquele ano a sua primeira invasão, seguindo-se então de outros mais, com o apoio dos índios tapuias e potiguares.

Em 16 de julho daquele ano, durante uma missa dominical convocada por Jacó Rabe, na capela de Nossa Senhora das Candeias, foram mortos dezenas de católicos, após o fechamento das portas da igreja.

Apesar da resistência de alguns fiéis, Jacó ordenou que os sobreviventes tirassem as roupas e, de joelhos, renunciassem ao catolicismo.

Com a negativa dos colonos, índios, que se encontravam escondidos nos arredores da vila, saem e, junto com os holandeses os matam da forma mais cruel possível. A notícia do episódio se espalhou pela capitania do Rio Grande e três meses após, outras 70 pessoas são mortas também de forma desumana na comunidade de Uruaçu, em São Gonçalo do Amarante.

CANONIZAÇÃO

Os santos Protomártires do Brasil, padroeiros do estado do Rio Grande do Norte, onde aconteceu o massacre, foram canonizados no dia 15 de outubro de 2017, na Basílica de São Pedro, em cerimônia presida pelo Papa Francisco no Consistório Ordinário Público realizado no Vaticano.