Primeiro suspeito da morte de Elidson já foi preso, segundo o delegado Júlio Costa


O delegado responsável pela investigação inicial do assassinato do arquiteto Eliedson Vinícius Marcelino de Menezes, de 39 anos, acredita que o crime trata-se de um latrocínio — roubo seguido de morte. Júlio Costa, da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), afirmou que o carro da vítima ainda não foi encontrado. 

O arquiteto foi encontrado morto nesta quarta-feira (20) dentro do apartamento onde morava na Zona Sul de Natal. O imóvel estava revirado e o carro de Eliedson foi levado. 

De acordo com o delegado, a polícia passou mais de 4 horas no apartamento coletando vestígios para a investigação. “Vamos esclarecer esse crime”, disse em entrevista à rádio Agora FM (97,9) nesta quinta-feira (21). 

Ainda segundo Júlio Costa, duas pessoas participaram do crime. “Já identificamos os suspeitos, um deles tinha contato constante com a vítima. Um já foi preso”, revelou. 

Tortura 

O delegado ainda afirmou que o assassinato foi bárbaro. “É possível que ele tenha levado, no mínimo, oito facadas. Há sinais de tortura, requintes de crueldade”. 

AGORA RN