Auxílio emergencial injeta R$ 20 bilhões no comércio por pagamento digital


O auxílio emergencial de R$ 600 já injetou quase R$ 20 bilhões diretamente no comércio em compras por pagamento digital. Foram R$ 16,4 bilhões por débito virtual e R$ 3,5 bilhões por QR code, por meio de aplicativo, registrados até a última quinta-feira (13), de acordo com a Caixa Econômica Federal.

Só em um único dia, em 31 de julho, por exemplo, foram gastos R$ 444,3 milhões em compras virtuais, em mais de 3 milhões de estabelecimentos no país. Os beneficiários têm utilizado o aplicativo Caixa Tem como cartão de débito normal, com o QR code passando nas maquinhas de pagamento ou como cartão virtual em compras via internet.

Mas o impacto do auxílio emergencial no varejo deve reduzir pela metade as perdas previstas no início da pandemia de coronavírus. Segundo estudo da FecomercioSP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo), as estimativas de perdas para 2020 projetadas no início da quarentena foram reduzidas de -13,8% para -6,7%.

O levantamento mostra que, dos R$ 210 bilhões previstos para as cinco parcelas do benefício, 79% irão para o varejo, aproximadamente R$ 170 bilhões na compra direta de produtos essenciais, como alimentos e remédios. Supermercados e farmácias são os setores mais beneficiados.

“O auxílio tem uma dimensão extraordinária, praticamente R$ 210 bilhões estimados para cinco parcelas, que representam quase 3% do PIB (Produto Interno Bruto). Injetar 3% do PIB em cinco meses, obviamente você altera as circunstâncias da conjuntura econômica”, avalia Altamiro Carvalho, assessor econômico da FecomercioSP.