Estado de São Paulo passa de 3 mil mortos e decreta luto oficial


O estado de São Paulo chegou nesta quarta-feira (6) à marca de 3 mil mortes confirmadas pelo novo coronavírus, segundo dados da Secretaria Estadual da Saúde. O governador João Doria (PSDB) decretou luto oficial em todo o estado de São Paulo a partir desta quinta-feira (6).

São 3.045 óbitos confirmados por exame laboratorial, um aumento de 7% em relação aos números de terça-feira (5). O número de casos confirmados no estado é de 37.853, valor 10% superior ao registrado na terça.

Ao anunciar os dados oficiais em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes, o secretário estadual da Saúde, José Henrique Germann, disse que os paulistas “precisam tomar muito cuidado” e que aqueles que não respeiram a quarentena estão “brincando com a sorte”.

"Queria reforçar a questão do número de óbitos para que as pessoas olhem para esses números e procurem se salvar em casa. Ficar em casa significa se salvar. Para que ele não se exponha e não adquira a doença, não seja mais um caso confirmado em São Paulo. Isso vai passar. Nós vamos vencer, mas nós precisamos tomar muito cuidado agora, porque nós estamos brincando com a sorte", disse José Henrique Germann.

Há ainda 8.601 pacientes internados, entre casos confirmados e suspeitos, que aguardam resultado do teste de Covid-19. Desses mais de 8 mil pacientes internados, 3.404 estão em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) e 5.197 estão em enfermarias.O isolamento no estado de São Paulo na terça-feira (5) se manteve em 47%, segundo dados divulgados pelo governo do estado nesta quarta. Na capital, o número também se manteve em 48%.

Em ambos os casos, o índice está bem abaixo da média mínima desejada para qualquer análise futura sobre isolamento social, de acordo com o governador de São Paulo, João Doria, durante coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes, Zona Sul de São Paulo nesta quarta.

"Nós temos dito e repetido aqui que nenhuma medida de flexibilização será adotada no estado de São Paulo se não tivermos a média entre 50 e 60%. Essa é a orientação da medicina, da ciência e da saúde. Infelizmente não estamos alcançando essa média."

O coordenador do Centro de Contingência para Covid-19, David Uip, disse durante a coletiva que o achatamento e o pico da curva de número de casos dependem de um isolamento de no minimo 55%.

"Nós estamos vendo de um lado uma frouxidão do sistema de isolamento e de outro lado a necessidade, pela quantidade de infectados, de aumentarmos a taxa de isolamento. A única arma que nós temos é o isolamento social. Nós não temos medicamentos, nós não temos vacinas e nem teremos a curto prazo, então é absolutamente fundamental que a população continue se sacrificando. Neste momento é necessário e é a única alternativa." - João Dória

Os dados são contabilizados pelo Sistema de Monitoramento Inteligente (SIMI-SP) do Governo de São Paulo, que analisa os dados de telefonia móvel para indicar tendências de deslocamento e apontar a eficácia das medidas de isolamento social no combate à pandemia de coronavírus.

G1